Tradutores: Ana Paula Pires dos Santos, Ana Luiza Cabrera Martimbianco


 

 

Jamie Hartmann-Boyce e Nicola Lindson

Em nome da Equipe do Oxford COVID-19 Evidence Service Team

Centro de Medicina Baseada em Evidência, Nuffield Department of Primary Care Health Sciences

Universidade de Oxford

Correspondência para [email protected]

 

PARECER

Existem caminhos biologicamente plausíveis através dos quais a nicotina pode impactar o SARS-CoV-2, mas o significado clínico destes é totalmente obscuro.

INTRODUÇÃO

evidências mistas sobre o papel do tabagismo na infecção pela COVID-19 e seus desfechos associados. Enquanto a expectativa é de que o tabagismo predisponha a piores desfechos da COVID-19, como é o caso de outras infecções respiratórias agudas, alguns (mas não todos) estudos sobre COVID-19 detectaram um número menor do que seria esperado de pessoas que fumam entre os pacientes hospitalizados com COVID-19. Não está claro se isto se deve a vieses, confundimento, relato enganoso ou um potencial efeito protetor do tabagismo nos desfechos da COVID-19. Independentemente da COVID-19, o tabagismo é particularmente mortal.  Entretanto, a nicotina, o componente viciante dos cigarros, pode ser segura quando usada em outras formas, e há alguma plausibilidade biológica em relação a um possível papel da nicotina na infecção pela COVID-19. Abaixo revisamos brevemente as evidências até o momento sobre o papel da nicotina na COVID-19. Isto é importante para as pessoas que fumam, mas também pode ser de relevância geral, pois alguns têm formulado hipóteses de que a nicotina pode ser um tratamento potencial para a COVID-19.

EVIDÊNCIA ATUAL

Nós buscamos na literatura estudos relacionados à COVID-19 e nicotina. Alguns estão em andamento, e este texto será atualizado à medida que novos achados surgirem. Enquanto isso, a literatura disponível apresenta-se principalmente sob a forma de comentários especulativos, com alguns estudos laboratoriais também relatados.

Comentários sobre nicotina e COVID-19 concordam que a nicotina tem um papel potencial em desempenhar com base no seu papel no sistema renina-angiotensina. Em particular, a nicotina pode ter impacto na enzima conversora da angiotensina (ECA) 2, o que é relevante porque os coronavírus se ligam à ECA2. No entanto, na interpretação de alguns autores isto sugere que a nicotina é provavelmente prejudicial no contexto da COVID-19, e para outros isto sugere o oposto.

É extremamente difícil sintetizar evidências sobre nicotina e COVID-19, pois grande parte da literatura é inconsistente. Abaixo destacamos caminhos/ mecanismos hipotéticos através dos quais pelo menos um artigo especulou que a nicotina poderia impactar o SARS-Cov-2:

A França teve que colocar restrições às vendas de terapia de reposição de nicotina por temer que ela possa começar a ser estocada para uso inapropriado relacionado à COVID-19. Estudos estão em andamento para testar a terapia de reposição de nicotina em pacientes com COVID-19, e até que os resultados estejam disponíveis, não há evidências que apoiem o uso desta terapia pelo público em geral para a infecção por COVID-19. A terapia de reposição de nicotina é um dos pilares do tratamento para cessação do tabagismo e é segura e eficaz neste caso.

CONCLUSÕES

  • Existem caminhos biologicamente plausíveis através dos quais a nicotina pode ter impacto no SARS-CoV-2, mas o significado clínico destes é totalmente obscuro.
  • Estão em andamento estudos iniciais sobre o papel da terapia de reposição de nicotina como auxílio terapêutico para a COVID-19
  • As evidências até o momento são muito limitadas para informar qualquer decisão sobre o uso da terapia de reposição de nicotina na COVID-19
  • Quando usada para a cessação do tabagismo, há certeza alta de evidência de que a terapia de reposição de nicotina é segura e efetiva.

 

Aviso: o artigo não foi revisado por pares; ele não deve substituir o julgamento clínico individual e as fontes citadas devem ser verificadas. As opiniões expressas neste comentário representam as opiniões dos autores e não necessariamente as da instituição anfitriã, do NHS, do NIHR, ou do Departamento de Saúde e Assistência Social. Os pontos de vista não são um substituto para o aconselhamento médico profissional.

AUTORES

Jamie Hartmann-Boyce é professora e vice-diretora do Programa de Doutorado em Saúde Baseada em Evidência no Centro de Medicina Baseada em Evidência no Nuffield Department of Primary Care Health Sciences, Universidade de Oxford. Ela trabalha com o Grupo Cochrane de Dependência do Tabaco e é editora associada do Addiction.

 Nicola Lindson é um Pesquisador Sênior na equipe de Comportamentos em Saúde no Nuffield Department of Primary Care Health Sciences, Universidade de Oxford. Ela trabalha com o Grupo Cochrane de Dependência do Tabaco.

 

TERMOS DA BUSCA

Buscas realizadas em 19 de maio de 2020

(coronavirus OR covid-19) AND nicotine Google e Google Scholar
((coronavirus*[Title] OR coronovirus*[Title] OR coronoravirus*[Title] OR coronaravirus*[Title] OR corono-virus*[Title] OR corona-virus*[Title] OR “Coronavirus”[Mesh] OR “Coronavirus Infections”[Mesh] OR “Wuhan coronavirus” [Supplementary Concept] OR “Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2″[Supplementary Concept] OR COVID-19[All Fields] OR CORVID-19[All Fields] OR “2019nCoV”[All Fields] OR “2019-nCoV”[All Fields] OR WN-CoV[All Fields] OR nCoV[All Fields] OR “SARS-CoV-2”[All Fields] OR HCoV-19[All Fields] OR “novel coronavirus”[All Fields])) AND ((“Tobacco Use Cessation Devices”[Mesh]) OR (nicotine[Title/Abstract] OR nrt[Title/Abstract])) 12 PubMed
term “(covid-19 OR coronavirus) AND nicotine” 25 medRxiv
nicotine OR nrt 15 LitCOVID

.


REFERÊNCIAS
Os links para as referências estão no texto